Frases de personalidades históricas!

Musica Medieval

23/04/12

Resumos para o Teste Intermédio

O expansionismo europeu
A Europa antes dos descobrimentos
Durante o século XIV a Europa passou por uma grave crise demográfica, económica, social e política.
O comércio antes dos descobrimentos era feito por comerciantes muçulmanos, que traziam a vários pontos do mar Mediterrâneo na Europa principalmente a Itália.
Com isto existem vários intermediários o que faz que o preço dos produtos aumente.

O conhecimento do Mundo
No início do século XV, os europeus consideravam-se o centro do Mundo, sendo o conhecimento dos continentes asiático e africano bastante limitado. Do continente americano e da Austrália nada se conhecia.

Interesses dos grupos sociais
Até ao século XV os povos viviam isolados sem imaginar os habitantes das outras regiões. Esta situação alterou-se quando os Italianos e, depois, os Portugueses tomaram a iniciativa de entrar pelo Mar desconhecida, quebrando barreiras geográficas.
Várias motivações levaram os Portugueses à descoberta das novas terras:
• Rei – Procurava soluções para os problemas económicos que afectavam Portugal e também procurava aumentar a riqueza do país;
• Nobres – Tinham de novo oportunidade de se dedicarem à guerra, podendo adquirir novas terras, cargos e títulos;
• Burgueses – Desejavam novos produtos para fazerem comércio;
• Povo – Desejava conseguir melhores condições de vida;
• Clero – Movidos pela defesa da fé cristã desejavam ir combater seus inimigos de longa data, os Muçulmanos.


Condições da prioridade portuguesa
Os portugueses tinham também as melhores condições para partirem à procura de novas terras:
• Clima de paz:
• Posição geográfica;
• Tradição marítima;
• Conhecimento de instrumentos náuticos (astrolábio, quadrante, bússola, balestilha, vela triangular, caravela, navegação astronómica, portulanos);
• Estabilidade económica.

Conquista de Ceuta
Aconteceu em 1415 e foi um acontecimento fundamental para a expansão portuguesa. Várias razões levaram à conquista desta cidade:
• Existência de ouro e especiarias em Ceuta;
• Localização estratégica (junto ao estreito de Gibraltar, o que permitia que a quem a conquistasse controlasse o comércio do mar Mediterrâneo);
• Evitar as expedições dos piratas marroquinos para atacar a costa algarvia.
Depois da conquista Ceuta pelos portugueses os muçulmanos desviaram as rotas do comércio para outras cidades e começaram a ataca-la constantemente.

Ocupação e descobrimento do arquipélago da Madeira e dos Açores
Em 1419 ocupou definitivamente a Madeira. Mais tarde, o Infante D. Henrique, senhor das ilhas por doação do rei, mandou dividi-las em capitanias.
Em 1927 Diogo de Silves atinge os Açores. Nos Açores utilizou-se o mesmo sistema de divisão de capitanias.

A passagem do Cabo Bojador e os avanços para sul
Em 1434, Gil Eanes, passou o Cabo Bojador e aumentou o conhecimento dos portugueses sobre o continente africano.
Em 1960 Diogo Gomes chegou à Serra Leoa e posteriormente ao arquipélago de Cabo Verde.
Contrato de arrendamento a Fernão Gomes
Em 1469, D. Afonso V arrendou a Fernão gomes, rico burguês de Lisboa, o monopólio do comércio com a costa africana (com algumas excepções), por um período de cinco anos, mediante o pagamento anual de 200 000 reais e a obrigação de descobrir cada ano léguas de costa.

A política expansionista de D. João II
O objectivo de D. João II era chegar à Índia, em 1488 Bartolomeu Dias conseguiu dobrar o Cabo das Tormentas a que mais tarde D. João II viria a chamar Cabo da Boa Esperança
Os Portugueses tinham, finalmente, entrado no Oceano Índico.

A rivalidade luso-castelhana
A rivalidade entre Portugal e Castela, provocada pelas disputas sobre as terras descobertas, vinha já do século XIV, quando os dois estados reivindicaram a posse das ilhas Canários.
Com objectivo de pôr fim a este conflito em 1479, assinou-se o Tratado de Alcáçovas, que atribui a Portugal as terras a sul das Canárias, ficando estas ilhas como pertença de Castela. No entanto, com a descoberta da América, por Cristóvão Colombo, em 1492, o conflito reacendeu-se.
Em 1492, Cristóvão Colombo com o apoio dos reis de Castela chegou às Antilhas (América), pensando atingir a Ásia. Como as Antilhas se localizavam a sul do paralelo do tratado de Alcáçovas, Portugal reivindicou as terras, o que provocou um novo conflito com Castela.
Em 1494, com a intervenção papal, foi assina do outro acordo o Tratado de Tordesilhas.
Tratado de Tordesilhas: Neste tratado estabeleceu-se a divisão do mundo em duas partes, separadas por um meridiano que passava a 370 léguas a ocidente das ilhas de Cabo Verde. As terras descobertas, ou a descobrir, a ocidente dessa ilha pertenceriam a Castela e as descobertas ou a descobrir, a oriente pertenceriam a Portugal.


A chegada à Índia e ao Brasil
Em 1497, Vasco de Gama a mando de D. Manuel I (sucessor de D. João II) partiu de Lisboa para a Índia.
Em 1498, Portugal tinha oficialmente chegado à Índia.
D. Manuel mandou outra aramada para a Índia, comandada por Pedro Álvares Cabral, para tentar impor a presença portuguesa no oriente. Mas no percurso as embarcações desviaram-se para sudoeste o que fez que em 1500, Pedro Álvares Cabral chegou à Terra de Vera Cruz (Brasil).

Os portugueses na África Negra
O principal objectivo dos Portugueses em África era fazer comércio. De África os portugueses trouxeram várias especiarias e também ouro.
De África também partiram inúmeros escravos.

Os portugueses no oriente
O principal objectivo dos portugueses era apoderarem-se do comércio lucrativo das especiarias, sedas, porcelanas e pedras preciosas.
D. Manuel I nomeou governadores para oriente, alguns com o título de vice-rei, com objectivo de administrarem e defenderem os territórios conquistados. Os primeiros foram D. Francisco de Almeida e Afonso de Albuquerque.

Os portugueses na América (Brasil)
Havia pouca população no Brasil. A população estava organizada em tribos e foram chamados de Índios brasileiros.
Ao princípio o Brasil não tinha grande interesse para os portugueses, a única coisa que traziam de lá era pau-brasil.
Mais tarde D. João III decidiu fomentar a colonização do Brasil através do sistema de capitanias, o que fez que a partir de 1530 surgissem as primeiras povoações. Desenvolveu-se o cultivo da cana-de-açúcar, o que contribui para o aumento do comércio português.
O Império Espanhol
Os espanhóis criaram um enorme império colonial, principalmente na América.

O Império espanhol na América
Novas rotas do comércio intercontinental
Os descobrimentos dos portugueses e espanhóis permitiram a abertura de novas rotas comerciais que passaram a ligar todos os continentes:
• A rota do cabo (Lisboa, Cabo da boa esperança e Índia);
• A rota do extremo oriente (Índia, Macau, China, Japão e Timor);
• As rotas atlânticas (Europa, África, América);
• A rota de Manila (Sevilha, América, Manila)

A dinamização dos centros económicos europeus
O domínio das novas rotas comerciais tornou Lisboa e Sevilha “senhoras rainhas do oceano”.
O comércio em Portugal foi organizado através da casa da Mina primeiro e depois pela casa da Índia. A esta instituição, controlada por um feitor que dependia directamente do rei, competia:
• Servir de armazém de mercadorias e de alfândega;
• Vender as mercadorias vindas do império;
• Adquirir os produtos que as armadas deviam levar do reino para servir de mercadorias de troca;
• Organizar as viagens da rota do Cabo.

3 comentários:

Rafaela disse...

ajudou-me imenso !

Anabela Pinho disse...

Fico feliz por isso!bjs

Julio Vargasmonteiro disse...

Adorei o seu site ajudo-me mt e precebi melhor a materia adorei msm muito obrigado por tirar um tempinho seu para fazer estas explicaçoes para ajudar os outros...